Entre os anos de 2011-2012, este espaço destinou-se à divulgação dos trabalhos e experimentos realizados pelos alunos do 5º ano e pelo prof. André Nogueira, da Escola Municipal João de Camargo, participantes do Programa Ciência Hoje de Apoio à Educação.





"PCHAE na Sala de Aula" foi premiado como o melhor blog da II Mostra Municipal do Programa Ciência Hoje de Apoio à Educação das Crianças. Uma parceria de sucesso entre a Secretaria Municipal de Educação com o Instituto Ciência Hoje que juntos, buscam promover a educação científica junto ao público infantojuvenil.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Bromeliário do Jardim Botânico

Há mais de cem anos, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro guarda uma coleção de bromélias entre as plantas de seu acervo. Antigos botânicos da instituição já coletavam essas espécies para pesquisa: Brade, Santos Lima, Kuhlmann, Pereira e Duarte, entre outros.
Em 1975, o Dr. Raulino Reitz, renomado especialista em Bromeliaceae e então diretor do Jardim Botânico, inaugurou o Broméliario Ecológico do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. No mesmo evento, foi fundada  a Sociedade Brasileira de Bromélias, com Dr.Reitz eleito presidente e o Dr. Lyman Smith (Smithsonian Institution – EUA) presidente honorário.
Em 1976, o Dr. Felisberto Camargo, estudioso do gênero Ananás(abacaxi), doou ao Broméliario uma coleção das espécies desse gênero, ampliando o acervo da instituição. Os arquivos dessa época registravam a existência de 148 espécies na coleção. Mais recentemente, a coleção foi incrementada por diversas expedições cientificas, entre as quais se destacam as lideradas por Dimitre Sucre e Gustavo Martinelli, realizadas por meio do Projeto Bromélia
Atualmente, o Bromeliário compreende cerca de 10 mil exemplares, distribuídos em duas grandes estufas e em canteiros. A estufa Roberto Burle-Marx  aberta a visitação contém exemplares das coleções do Jardim Botânico e do Sítio Roberto Burle-Marx, além de doações feitas por particulares. Nesta estufa, podem ser apreciadas espécies de diversas formações (oriundas da Amazônia, Floresta Atlântica, de restingas e caatingas), assim como exemplares das Américas do Sul e Central. A estufa Dimitri Sucre, abriga a coleção científica que está composta por exemplares obtidos no desenvolvimento de projetos científicos e por coletas atuais,  destinadas à pesquisa científica e à conservação.

Veja uma pequena amostra do que você vai encontrar neste belo Bromeliário:












Nenhum comentário:

Postar um comentário